Liga Portuguesa de Karaté abre sede no Bairro da Cruz Vermelha, Cascais

312

Uma cerimónia reduzida por força da segurança sanitária. Pandemia oblige. Das poucas pessoas presentes naquele largo do Bairro da Cruz Vermelha, há pelo menos três que se destacam: a jovem Anaísa Caridade, 11 anos, equipada com um kimono (para quem não sabe, em japonês significa roupa, neste caso, roupa de combate).

Pouco expansiva, o que não seria de esperar de uma jovem vice-campeã nacional de Karaté no seu escalão, iniciados. A irmã Marisa, mais velha, foi 3ª no nacional de sub-23 e fez o 4º lugar no campeonato nacional de séniores. Ao lado o Diogo, 15 anos, foi 3º no campeonato Nacional de cadetes.

São três karatecas que representam bem os mais de 250 jovens que a Liga Portuguesa de Karaté movimenta em Cascais nas suas 8 escolas. Mas esta, para o anfitrião, Vítor Manuel Barreiros, presidente da Liga, é “um sonho antigo”, a partir da qual espera, um dia destes, partir para a construção de um Centro de Alto Rendimento.

A simplicidade do espaço, carregado de referências à componente reflexiva do Karaté da cultura japonesa, que está na origem desta modalidade de defesa pessoal, acompanha a simplicidade da cerimónia, mas contrasta com uma época desportiva recheada de êxitos, com 4 campeões nacionais e a conquista de 11 medalhas nos nacionais de Cadetes/Júniores e Sub-21.

CM Cascais