Início Râguebi “OH Gui”: O Rugby como porta de inclusão social em Cascais

“OH Gui”: O Rugby como porta de inclusão social em Cascais

301
OH-Gui

Como já mostrámos nas edições anteriores do Notícias de Cascais, o concelho cascalense é muito ativo em termos desportivos, com os louros a irem principalmente para o Estoril-Praia e para Frederico “Kikas” Morais.

No entanto, o desporto inclusivo não é esquecido e existem vários projetos que ajudam os jovens “diferentes” a não serem marginalizados.

Na edição nº100 do Notícias de Cascais apresentamos o projeto “OH Gui”, que nasceu em 2012 após um pedido feito pela Junta de Freguesia de Cascais/Estoril à secção de Rugby do Grupo Dramático e Sportivo de Cascais (Cascais Rugby) no âmbito das II e III Semanas do Voluntariado Jovem.

Nesta solicitação, a JFCE pediu que as equipas de Sub-16, Sub-18 e Sub-21 do clube organizassem uma manhã de treinos, 1 para 1, direcionada para jovens e adultos com deficiência intelectual e incapacidade.

Para tal, a JFCE convidou várias escolas vocacionadas para o ensino de pessoas “diferentes”, a Cooperativa de Educação e Reabilitação para Cidadãos Inadaptados de Cascais (CERCICA) e o Centro de Reabilitação e Integração de Deficientes (CRID) para estarem presentes na edição de 2012.

Essa manhã correu muito bem, e a JFCE, juntamente com os parceiros Cascais Rugby, CERCICA, CRID, QUINTA ESSÊNCIA e CERCITOP, tiveram a ideia de alargar a duração do projeto, passando de uma manhã de treinos para treinos regulares.

Numa primeira fase virada para os jovens adultos da CERCICA e CRID, o projeto fez com que estes utentes conseguissem melhorar vários aspetos da sua vida: menos sedentarismo, mais capacidade cardio-respiratória, mais força, mais resistência muscular, mais agilidade e maior capacidade de interpretações especiais.

A prática do Rugby permite ainda trabalhar aspetos psico-motores, desenvolver o auto-controlo, a concentração, a capacidade de decisão, a disciplina, a liderança, a inclusão pelo sentimento de pertença e partilha e a interação entre todos, contribuindo assim para o aumento da auto-confiança, auto-estima, lealdade, camaradagem e amizade, valores essenciais para outras áreas das suas vidas.

Como é lema nos Cascais Rugby e no Râguebi em geral, “o Râguebi é para todos os tamanhos e feitios“, estes jovens adultos acabaram por ser bem integrados e aprenderam os valores da integridade, solidariedade, disciplina e respeito.

Com o crescimento do projeto veio a necessidade de lhe dar um nome; depois de muitas sugestões ficou decidido chamar “OH Gui”, que é o grito de união do Cascais Rugby e que serviu que nem uma luva ao projeto, que também ’teve direito’ a um logótipo, elaborado por um utente do CRID.

Em outubro de 2012, o projeto iniciou uma atividade regular e treinos contínuos, de setembro a agosto, inclusive.

Dois anos depois, mais concretamente em 2014, o “OH Gui” passa a ser um projeto sólido com métodos de treino definidos e implementados, leis de jogo, arbitragem, grelhas de avaliação individual contínua e critérios de elegibilidade.

Este crescimento é reconhecido pela Federação Portuguesa de Rugby, que desde maio de 2021 certificou os métodos e as leis de jogo e replicou-os a nível nacional, enviando-os também à World Rugby, que agora tem 1 ano para decidir se tudo passa a ser certificado internacionalmente.

Atualmente, o “OH Gui” tem pessoas dos 20 aos 60 anos de idade com necessidades especiais, tanto a nível físico como a nível psíquico/mental (autismo, paralisia cerebral, esquizofrenia, síndroma de Down, espinha bífida, tetraplégicos, entre outras).

Devido à pandemia da Covid-19, os atletas não vão a Cascais, mas os treinadores/colaboradores deslocam-se às 4 instituições de solidariedade (CERCICA, CRID, QUINTA ESSÊNCIA e CERCITOP), 4 vezes por semana para treinos, que decorrem nas instalações das instituições.

Em 2022, há um novo “desafio” intitulado “Rugby com Partilha”, que não é mais do que levar a modalidade desportiva ao Estabelecimento Prisional do Linhó e permitir que os reclusos pratiquem esta modalidade, o que tem sido uma mais valia para todos os que participam no projeto.